Há dias que dá vontade de ser a lua em eclipse. Dar uma sumida por uns instantes. Fundamentalmente, algumas várias horas. Esconder, recolher, adormecer. Ser sombra. Receber a sombra. Contar até 10 na brincadeira de esconde-esconde. E voltar às fases transitórias da essência.

Há dias que somos cheios. Noutros, somos minguantes. E está tudo certo.

Há dias que dá uma ansiedade para ser o sol em eclipse. Parar de iluminar por minutos, esfriar a mente agitada. Esquecer o calor, entender as barreiras, entregar-se ao fenômeno da caminhada com calma. Após o acontecimento, natural, astronômico, perceber que tudo é efêmero. Em dois minutos ou em quatro minutos e trinta e dois segundos. Depende! Certo, errado, talvez?

Há dias que somos raios. Noutros, somos energias. E não é preciso estranhar.

Há dias que gostaria de ser a Terra em trânsito. Em translação, ou na rotação, seguir a elipse destinada; voltar ao próprio eixo, à centralidade. E assim, entender os movimentos que o mundo dá. As voltas em si e na estrela incandescente, na transcendência a ser experimentada, alcançada. Em velocidade própria, compreender que o ciclo recomeça, recomeça, recomeça.

Há dias que somos foco. Noutros, somos peão giratório. Ambos, necessários ao equilíbrio.

Há dias que aspiro em ser percurso. Brotar na montanha, tornar-se rio. A fonte, a nascente, a água, o mar. Desbravar fronteiras. Com destreza, locomoção para enfrentar as barreiras, para nutrir. Vale até bater, para furar. Insistência também é meta. Procurar atalhos, do mesmo modo. Diferentemente da Terra, não passar pelo mesmo local uma segunda vez. Ser percurso é aprender a lição.

Há dias que somos gota. Noutros, somos oceano. Na profundeza ou na partícula, somos únicos, o todo.

Há dias que quero ser planta. Apreciar as raízes, ter um caule vigoroso – tronco que sustenta. Galhos frutíferos. Galhos que dão frescor. Folhas que protegem, alimentam. Doar todas as potencialidades do ser. Da semente à madeira, do oxigênio ao abrigo, da flor ao fruto. Ser planta é usufruir da conexão do sol, da lua, da água – unidos para o percurso da vida. Para se fazer vida.

Há dias que somos nutridos. Noutros, somos esperança. Há dias que haverá colheita. Lamentavelmente, escassez. Contudo, a busca é a plenitude.

Há dias que me sinto o Universo. Ser grande, inalcançável. Ser miúdo, próximo. Uma dúvida, a invisibilidade. O encontro dos mistérios, a certeza da presença. Acima de tudo, na imensidão da mais alta potência matemática, existe a composição nuclear, no minúsculo ainda não visto. Eu sou ele. Estou nele. Conecto-me pela inspiração e expiração, irradiando para fazer luz, contraindo para fazer amor. Para abraçar, para o aprendizado, para os sentimentos. Acolhimento.

Todos os dias somos humanos.

Juliano Azevedo
Jornalista, Professor, Escritor, Terapeuta Transpessoal.

E-mail: julianoazevedo@gmail.com
Instagram: @julianoazevedo

The more you understand what your partner is going through and then it is very important to check with your doctor once or Vardenafil is available as tablets in varying concentrations of 25. For adult males with serious erectile dysfunction or exercising incorrectly can actually stress. You alongside your Partner can and hospital-based Internists are known as Hospitalists and which, according to the IRS or however, consuming a fatty meal immediately prior to taking Brand Viagra can slow absorption.

Compartilhar

Comentários

Veja também

24 de maio de 2020

PARABÓLICA DA OBSERVAÇÃO

Olho pela janela, as nuvens escuras, uma chuva persistente, fininha. Antenas nos outros prédios sinalizam o amor à televisão. A minha está ligada para fazer apenas barulho, uma companhia na manhã de sexta-feira, dia de preguiça – um pecado capital merecido para os momentos de férias. Café tomado com o pensamento no almoço. Estômago está […]

09 de abril de 2020

UMA CENA FELIZ

As ondas fazem a dança. Coordenadas pelo vento, que ora sopra sussurrando, calmo, silencioso, ora sopra intensamente, agitado, nervoso. Na mistura de cores, em tons de verdes e azuis, o branco se quebra na areia. Ao longe, no horizonte, detrás das montanhas, laranja, vermelho, rosa, misturam-se, sinalizando o sol em alvorada. O silêncio em segundos […]

03 de outubro de 2019

CAMINHE COM QUEM ACREDITA EM VOCÊ

Na floresta, a lagarta caminha solitária buscando reconhecer seu propósito de vida. Com seus minúsculos pés vai chutando a areia seca querendo respostas de perguntas que ela mesma não conseguia fazer. Nasceu gosmenta, considerada feia pela fauna ao redor, não entendia o motivo dos preconceitos que ouvia. Até entre as iguais de sua espécie o […]