H.
H.
O.

Elementos químicos. Conexões. A menor forma. Molécula essencial para a vida. Várias moléculas unidas. H2O + H2O + H2O + H2O + H2O + H2O = ÁGUA, em abundância.

Uma molécula. Duas. Três. Uma gota, duas, três. Pingo, pingo, pingo. Reunidos na intensidade, na quantidade. Tudo correndo normalmente, no fluxo que deve ser. Seguindo o caminho direcionado pelo tubo na parede. O cano cumprindo sua missão. Levando água para usos diversos.

O acúmulo, a força, a pressão. O tempo determina a utilidade do cano. Desgaste, uso indevido, material ruim, o tempo. Mesmo visto como um ato negativo, por determinado período, cumpriu o destino. Chega o momento da observação de outras saídas.

Tanto bate, tanto fura. Se um dia vai para o ralo, em outro vai para a parede. Vazamento. Internamente. Uma gota, duas, três, quatro.

Bate, bate, bate. O furo está em milímetros. Moléculas espertas (ou dispersas) respiram numa fuga silenciosa, calma, lenta. Porém, outras também anseiam o desvio da rota. Suspiram pela curiosidade daquele túnel. O furo se amplia. Mede-se em centímetros, decímetros… O cimento absorve. O tijolo encharca.

Falta espaço. Moléculas rebeldes alcançam o azulejo, outras empurram o reboco. Estufamento. O cenário fica oco: vazio de concreto; cheio da fluidez do líquido. Acúmulo. Sufoco. Respiração. O excesso, a falta. Precisa-se de espaço.

Uma gota, três, seis, nove… Umidade. Pequenas gotas ganham a liberdade. E com ela, as consequências. O mofo. A doença. A asma. Muita umidade. A inutilidade, mas o alerta, pois as gotas não são solitárias. Aparecem em altas potências matemáticas.

Com energia, com violência, enfrentando as barreiras. São fluidas no processo natural. Contudo, rígidas na ultrapassagem dos obstáculos. O vazamento só cresce.

Não há impedimento para a água que busca outro sentido para a própria vida. Arrebentam. Destroem. Limpam o que há pela frente, pelos lados. Unidas têm consistência, pois se apropriam do leito. Correm para o mar, sentindo o chamado da base, da mãe. E vão…

Para a água, ganho. É o destino que cabe, traçado. Missão. O simbólico da água é a prosperidade. Espiritualmente, indica purificação, batismo, renascimento, bênçãos, forte ligação com as emoções, vitalidade e fertilidade.

Cuidado com os vazamentos. Para quem convive: perdas. Com o fluxo contínuo, lá se vão sonhos, metas, dinheiro. Canos vazando, torneira pingando, desperdício de água é prosperidade indo embora. Represamento de energia, falta de proteção.

Que seja o melhor fluir.

Juliano Azevedo
Jornalista, Professor, Escritor, Terapeuta Transpessoal.
Mestre em Estudos Culturais Contemporâneos
E-mail: julianoazevedo@gmail.com
Instagram: @julianoazevedo

Compartilhar

Comentários

Veja também

05 de setembro de 2019

EM SETEMBRO, CHOVE?

Ah, setembro! Você chegou para nos cutucar com reflexões diversas. Talvez, por ser um mês diferente, que foi empurrado lá no passado para um lugar que não era o seu. Nasceu sete e virou nove, por causa de egocêntricos que queriam ter seus nomes eternizados no calendário romano. O ego era tão inflado que queriam […]

09 de agosto de 2019

PRESO NO TÓRAX

Vivemos enclausurados. Presos em sentimentos, a momentos, a lugares, às pessoas. De toda maneira, aos tempos – passado, presente, futuro. Até mesmo no pretérito mais que perfeito, sentimos a angústia do apego. Afinal, o que é a perfeição? Ela também pode estressar. Mas o pior é trazer, literalmente, a gramática para a vida. Deixar que […]

26 de junho de 2019

OUVINDO O SILÊNCIO

Estamos falando demais. Conversas aleatórias, debates, comentários, opiniões, discussões. Assuntos em excesso! Mensagens, áudios, gritos. Papos cultos. Parlatórios de ideias sem sentido. Julgamentos sem razão. Motivos que não são comentados para não gerarem outras polêmicas. A democracia da fala é necessária. Contudo, a poluição sonora está exagerada. É muito barulho, para poucos ovos botados. Queremos […]