Esta história é dos tempos antigos, quando a catequização estrangeira veio para o Brasil, trazendo as tradições europeias religiosas para as pequenas cidades do país. Congregações enviavam seus mensageiros para pregar a palavra de Cristo em latim, mas eles falavam em línguas difíceis com a comunidade. Alemães, italianos, franceses. De olhos azuis, loiros, altos, bonitos, porém padres, castos, puros, com votos de celibato eterno. As beatas pecavam em pensamento. E as casadas agradeciam por eles celebrarem a missa de costas. Este caso, dizem, aconteceu nas bandas de uma região banhada pelo rio São Francisco.

Foi um bafafá quando o Padre Lorenzo desistiu da batina. Enfrentou a Terceira Guerra Mundial: a boca nervosa e fofoqueira do povo. De sangue quente, nascido em Roma, estava acostumado com desafios extremos. Foi enfermeiro na primeira grande batalha que dividiu a Europa em Aliados e em Impérios Centrais. Foi mentor espiritual na Segunda Guerra, nos conflitos em que Hitler dizimava tudo. Não torcia nem lutava por lado nenhum, pois queria a paz entre as nações. Cometeu um crime: escondeu judeus e ciganos no porão da igreja. Teve que fugir escondido em um navio que desembarcaria no Rio de Janeiro depois de cinco meses de viagem. Obrigou-se a ficar em jejum forçado porque na embarcação não havia comida para a tripulação nem para os passageiros.

Nas terras tupiniquins, enfrentou a malária, a Revolução, a ditadura, a seca nordestina, até ser pároco nas Minas Gerais, quando encontrou o céu, o feijão tropeiro, o mingau de milho. E também o amor. Resistiu às artimanhas do sentimento, fez penitência, tomou banho de água gelada no rio Lambari, confessou-se com o bispo, revelando seu maior segredo. Conheceu mulher. Não qualquer rameira, como diziam as curiosas que insistiam em saber qual era o mistério do padre. Nem mula sem cabeça. Seu superior disse no confessionário que a dor da paixão não tinha explicação. Ele deveria encarar as decisões do coração.

A mulher do padre

Lorenzo, ex-padre, casou-se com Maria Madalena, ex-irmã de caridade, devota fervorosa de Santa Inês. A esposa também assumiu o risco dos desatinos do amor. Abandonou o hábito e a congregação. Utilizou o diploma de magistério para dar aulas a alunos especiais. O marido dirigia a escola, que ficava na zona rural. Ele era enérgico, usava a palmatória para dar lição à molecada que não aprendia o bê-a-bá, mas sabia roubar laranja, galinha e colocar estalinho no rabo dos gatos. Educar aqueles meninos não era nada para quem saiu fugido da Europa debaixo de balas de canhão, enfrentou a fome, quase morreu com doença tropical.

O casal foi abençoado com a maternidade. A mulher do padre estava radiante no dia do parto. Já o genitor da criança não tinha mais lugar para o suor escorrer. O médico ajudou no parto normal. A mãe nem força fez. Sorria com o sonho realizado. Lorenzo era muita emoção acumulada. Teve vertigem ao ver o filho nascer. Ninguém percebeu quando ele bambeou, rodou, caiu no chão desmaiado. A esposa teve alta à tarde, levando o bebê no colo. O ex-padre, pai de primeira viagem, guerreiro, ex-combatente das grandes guerras, famoso pela truculência e pelas atitudes de um coronel, recebeu uns pontos na testa, quatro dias internado e uma semana de atestado médico para aguentar os buchichos dos ex-fiéis. Ganhou fama e mais um adjetivo para sua lista de atributos: frouxo.

Compartilhar

Comentários

Veja também

03 de setembro de 2017

ONDE ESTÁ A PERNA DO SACI?

Agosto trouxe lembranças: infantis, dos tempos das brincadeiras de pé no chão; adultas, quando se aprende a gostar e a respeitar as raízes. Podem ser as familiares ou as patrióticas. Os ventos frios do mês, que apareceram quentes de repente, resgataram as memórias das pipas no céu. Vareta de bambu, rabiolas, papel de seda, grude […]

01 de agosto de 2017

CORAÇÃO MOLE

No estúdio de pilates, onde treino duas vezes por semana, sou recebido por um carinho curioso, logo quando toco a campainha do local. Rita, a educadora física, me recebe na porta e com o pé tenta impedir a saída do seu cachorro, companhia fiel de todos os dias de trabalho. Antes, o bicho era arredio, […]

16 de julho de 2017

UMA PARÁBOLA MORAL

O menino de óculos se aconchegava debaixo das cobertas para espantar o frio de um inverno que teimava em ser rigoroso. A combinação da temperatura, das nuvens escuras do domingo, do clima parado na rua, da televisão ligada sem som, do vento que soprava nas árvores, tudo era sinônimo de um pecado capital considerado delicioso: […]