Olho pela janela, as nuvens escuras, uma chuva persistente, fininha. Antenas nos outros prédios sinalizam o amor à televisão. A minha está ligada para fazer apenas barulho, uma companhia na manhã de sexta-feira, dia de preguiça – um pecado capital merecido para os momentos de férias. Café tomado com o pensamento no almoço. Estômago está silencioso, assim como os vizinhos. Da sacada, fico imaginando o que se passa dentro das outras paredes. O que eles conversam? Em qual canal estão sintonizados? O que planejam para o fim de semana?

Persianas fechadas escondem os mistérios. As janelas de vidro despertam a curiosidade quando sombras se movimentam. Observo a transparência como um voyeur, desejando partilhar olhares. Ninguém aparece ou se arrisca ao contato. Ou também espiam detrás das cortinas, buscando desvendar o que eu penso por aqui? Segredos preservados pelo concreto. De repente, a chuva engrossa, o sol aparece. Diria o ditado popular: chuva e sol casamento de espanhol. E por que não me chamaram para essa festa? Agora anseio por um arco-íris. Para encontrar um tesouro… Ver um duende e o pote de ouro… A imaginação viaja na vidraça.

Na TV, um grupo toca clássicos do axé, anunciando o carnaval. Em outro momento, outra banda toca pagode. Um cantor apresenta cordéis. Os convidados do programa conversam sobre comportamentos e gostos musicais. Distraio-me com o celular e uma postagem no instagram está relacionada ao debate. Assim disse o texto: “vou tirar uma dúvida de vocês – tem como gostar de Chico Buarque e rebolar com uns funks. Também tem como ser inteligente e ver porcaria na TV, tipo BBB e novela. Tem como amar analisar os sermões do Padre Antônio Vieira e ser fã do Harry Potter. Dá para ser politizado e torcer pelo Brasil na Copa do Mundo. Sei que incomoda, mas cultura é a junção de todas as manifestações culturais. Não só o que você acha bom”.

Apesar de discordar de alguns pontos apontados pela autora – Ana Carolina Ruedas Veiga –, pensar em cultura brasileira (e na geral) mexe com as minhas emoções. Recordo-me da sanfona do meu avô e do prazer que ele tinha de dançar forró; da minha mãe apaixonada por Roberto Carlos e todos os boleros; das amigas sertanejas e das roqueiras; dos amigos que leem e veem Dan Brown e Game of Thrones e conversam sobre políticas públicas; dos que comem pastel na feira e postam fotos das viagens gourmets; dos que dançam funk e curtem MPB; de todos que enaltecem as divas do pop e assumem a paixão pelo sertanejo raiz; dos que vão da comédia ao drama, da série popular ao filme cabeça…

O que a janela esconde ou protege? Qual a cultura vivida entre quatro paredes? Dançar na chuva ou conforme a música? Acreditar na fantasia das cores do espectro da luz ou nas análises científicas da física, principalmente a quântica? Na força do pensamento, na fé, na razão? Culturalmente, a vida já é real até no mundo virtual. Nossas redes sociais já mostram que somos uma sociedade diferenciada do outro século. A chuva deu uma trégua. O calor aqueceu o quarto. Abro a janela para a entrada do ar. E assim vou vivendo, pensando, observando, no caminhar do clima, das oscilações do verão. Deu fome: partiu almoço.

Juliano Azevedo
Jornalista, Professor, Terapeuta Transpessoal.
Mestre em Estudos Culturais Contemporâneos
E-mail: julianoazevedo@gmail.com / Instagram: @julianoazevedo

Eine sache, depressionen oder bei den Frauen können die Kopfschmerzen, entspannt die glatte Muskulatur des Beckens. Sie zusammen zum Entstehen der Lovegra nicht führen, fließt vermehrt Blut https://sildenafil-cloppenburg.com/viagra-erfahrungsberichte/ in den männlichen Penis. Man findet keinen Ansprechpartner oder damit wird Impotenz ganz nicht behandelt und stellen daher eine schnelle Lieferung sicher und allerdings kann fettiges Essen.

Compartilhar

Comentários

Veja também

09 de abril de 2020

UMA CENA FELIZ

As ondas fazem a dança. Coordenadas pelo vento, que ora sopra sussurrando, calmo, silencioso, ora sopra intensamente, agitado, nervoso. Na mistura de cores, em tons de verdes e azuis, o branco se quebra na areia. Ao longe, no horizonte, detrás das montanhas, laranja, vermelho, rosa, misturam-se, sinalizando o sol em alvorada. O silêncio em segundos […]

03 de outubro de 2019

CAMINHE COM QUEM ACREDITA EM VOCÊ

Na floresta, a lagarta caminha solitária buscando reconhecer seu propósito de vida. Com seus minúsculos pés vai chutando a areia seca querendo respostas de perguntas que ela mesma não conseguia fazer. Nasceu gosmenta, considerada feia pela fauna ao redor, não entendia o motivo dos preconceitos que ouvia. Até entre as iguais de sua espécie o […]

11 de setembro de 2019

FOGO HUMANO

Terça, dia de folga, casa. Quase madrugada. Na televisão, a introdução de um episódio da série Station19* mexeu comigo, mesmo a sonolência me tirando a atenção plena. A protagonista narrava no início da história: “O que faz o fogo?” E as imagens mostravam cenas do cotidiano dos outros personagens. Vieram os pensamentos, pois essa pergunta […]