Por acaso, descobre-se que a Holanda não é um país e sim uma província dos Países Baixos ou de Nederland (País Baixo). E nota-se que a vida é uma caixa de surpresas e que o conhecimento não é pleno. Aprende-se sempre! Por isso, subestimar alguém ou supor que algo é incontestável são situações perigosas. Talvez a aula de Geografia ensinou a informação, mas não quer dizer que tal curiosidade foi absorvida à época.

Na memória, ainda na escola, nas conversas da aula de História, a professora explicou sobre a colonização holandesa no Brasil. Vagamente, já que se falava mais da produção do açúcar, atividade comercial ligada a eles. Nas lembranças, ficaram os clichês: tamancos, tulipas, moinhos de vento, Anne Frank. As flores de Holambra e o modelo das casas daquelas bandas que viraram blocos de montar nas brincadeiras infantis dos anos 1980. O resto, o Google ajudou. Nada de surpreendente a descoberta. Porém, conhecimento geral nunca ocupa espaço. Certamente, uma reflexão sobre o assunto é interessante.

Muita gente também se assustou quando o fato foi publicado no Facebook. Também desconheciam a realidade e foram à procura da verdade holandesa. A desinformação pessoal virou debate, pois outros criticaram o desconhecimento: “não assiste aos Jogos Olímpicos?”, perguntaram nos comentários da rede social. Entende-se que nem sempre sabemos de tudo nem é necessário ser uma enciclopédia ambulante.

Valores holandeses

A dúvida provocou uma analogia com a atual situação brasileira: um país de terceiro mundo, pobreza, roubos, escândalos, preconceitos de todos os tipos. Será que a colonização holandesa teria sido melhor para as terras tupiniquins? Idioma por idioma, português e neerlandês são complexos. Logo, a língua não seria um problema no desenvolvimento. Os Países Baixos têm valores tradicionais e virtudes civis que precisam ser discutidos com profundidade no Brasil como a tolerância social em relação à homossexualidade, às drogas, à prostituição, à eutanásia e ao aborto. Sobretudo, à liberdade religiosa. Lá, há uma política séria de investimento em direitos considerados essenciais como educação, saúde e segurança para todos os habitantes.

Não há aqui, uma defesa integral de todos os valores descritos acima. Nem síndrome de cachorro vira-lata que só valoriza o que os outros têm. Afinal, alguns locais, ex-colônias da Holanda, também sofrem suas misérias após suas independências. Contudo, percebe-se que é possível fazer diferente, ser um povo melhor, mais educado, mais sadio, menos violento, essencialmente, mais humano. Com mais dignidade de vida e para viver. Com conhecimento, o jeitinho brasileiro terá uma particularidade diante do mundo. Pero Vaz de Caminha já havia previsto: nessa terra, tudo que se planta, dá. Até sabedoria, não é mesmo?

Você sabia que a Holanda não é um país? Comente!

Compartilhar

Comentários

Veja também

31 de outubro de 2017

O RELÓGIO

Vivo a angústia do tempo. No caso, a falta dele. Vivo desejando ter mais tempo para me ocupar de outros afazeres que me tomam muito tempo. Talvez eu esteja precisando de tempo para não fazer nada. Porém, o nada também me angustia. Sinto que ficar parado é perda de tempo. E o ditado relaciona o […]

03 de setembro de 2017

ONDE ESTÁ A PERNA DO SACI?

Agosto trouxe lembranças: infantis, dos tempos das brincadeiras de pé no chão; adultas, quando se aprende a gostar e a respeitar as raízes. Podem ser as familiares ou as patrióticas. Os ventos frios do mês, que apareceram quentes de repente, resgataram as memórias das pipas no céu. Vareta de bambu, rabiolas, papel de seda, grude […]

01 de agosto de 2017

CORAÇÃO MOLE

No estúdio de pilates, onde treino duas vezes por semana, sou recebido por um carinho curioso, logo quando toco a campainha do local. Rita, a educadora física, me recebe na porta e com o pé tenta impedir a saída do seu cachorro, companhia fiel de todos os dias de trabalho. Antes, o bicho era arredio, […]