Por acaso, descobre-se que a Holanda não é um país e sim uma província dos Países Baixos ou de Nederland (País Baixo). E nota-se que a vida é uma caixa de surpresas e que o conhecimento não é pleno. Aprende-se sempre! Por isso, subestimar alguém ou supor que algo é incontestável são situações perigosas. Talvez a aula de Geografia ensinou a informação, mas não quer dizer que tal curiosidade foi absorvida à época.

Na memória, ainda na escola, nas conversas da aula de História, a professora explicou sobre a colonização holandesa no Brasil. Vagamente, já que se falava mais da produção do açúcar, atividade comercial ligada a eles. Nas lembranças, ficaram os clichês: tamancos, tulipas, moinhos de vento, Anne Frank. As flores de Holambra e o modelo das casas daquelas bandas que viraram blocos de montar nas brincadeiras infantis dos anos 1980. O resto, o Google ajudou. Nada de surpreendente a descoberta. Porém, conhecimento geral nunca ocupa espaço. Certamente, uma reflexão sobre o assunto é interessante.

Muita gente também se assustou quando o fato foi publicado no Facebook. Também desconheciam a realidade e foram à procura da verdade holandesa. A desinformação pessoal virou debate, pois outros criticaram o desconhecimento: “não assiste aos Jogos Olímpicos?”, perguntaram nos comentários da rede social. Entende-se que nem sempre sabemos de tudo nem é necessário ser uma enciclopédia ambulante.

Valores holandeses

A dúvida provocou uma analogia com a atual situação brasileira: um país de terceiro mundo, pobreza, roubos, escândalos, preconceitos de todos os tipos. Será que a colonização holandesa teria sido melhor para as terras tupiniquins? Idioma por idioma, português e neerlandês são complexos. Logo, a língua não seria um problema no desenvolvimento. Os Países Baixos têm valores tradicionais e virtudes civis que precisam ser discutidos com profundidade no Brasil como a tolerância social em relação à homossexualidade, às drogas, à prostituição, à eutanásia e ao aborto. Sobretudo, à liberdade religiosa. Lá, há uma política séria de investimento em direitos considerados essenciais como educação, saúde e segurança para todos os habitantes.

Não há aqui, uma defesa integral de todos os valores descritos acima. Nem síndrome de cachorro vira-lata que só valoriza o que os outros têm. Afinal, alguns locais, ex-colônias da Holanda, também sofrem suas misérias após suas independências. Contudo, percebe-se que é possível fazer diferente, ser um povo melhor, mais educado, mais sadio, menos violento, essencialmente, mais humano. Com mais dignidade de vida e para viver. Com conhecimento, o jeitinho brasileiro terá uma particularidade diante do mundo. Pero Vaz de Caminha já havia previsto: nessa terra, tudo que se planta, dá. Até sabedoria, não é mesmo?

Você sabia que a Holanda não é um país? Comente!

Compartilhar

Comentários

Veja também

25 de outubro de 2019

UM DIA COMUM. OU NÃO!

Acordou cedo, fora do horário normal, pois um compromisso o esperava logo em seu dia de folga. Cinco da manhã, a cama o expulsou após o grito estridente do despertador do celular. Enrolou uns 15 minutos, sentado na cadeira ao lado, que era usada como suporte para roupas e travesseiros, auxiliar para calçar os sapatos. […]

10 de outubro de 2019

TUDO MUDA: EM UM SEGUNDO

A vida é aterrorizante. De repente, você está trabalhando, acontece o inesperado. Dia 25 de setembro de 2019, por volta das 11 horas, um vento gelado esfria o corpo, a cabeça fica vazia, aparece uma súbita sensação de sono. A tela do computador fica mais brilhante e as letras do teclado saem do foco. O […]

05 de setembro de 2019

EM SETEMBRO, CHOVE?

Ah, setembro! Você chegou para nos cutucar com reflexões diversas. Talvez, por ser um mês diferente, que foi empurrado lá no passado para um lugar que não era o seu. Nasceu sete e virou nove, por causa de egocêntricos que queriam ter seus nomes eternizados no calendário romano. O ego era tão inflado que queriam […]