Pais conversam, freqüentemente, sobre as atitudes das crianças nas escolas. Buscam respostas para questões complexas quando faltam testemunhas para fatos corriqueiros entre os pequenos. Quem mordeu quem primeiro? Por que o filho está falando determinadas palavras que soam impróprias em algumas residências? É função do professor ensinar comportamentos familiares? A escola, realmente, educa? A criança é reflexo do adulto? Cada um tem sua opinião e necessidade, mas consenso é difícil quando o assunto é a própria cria. E todos têm teto de vidro. E pecados…

O pai estava indignado com o choro doloroso da menina de três anos. Ela foi repreendida pela professora, depois de morder o coleguinha, de cinco anos. Ganhou bilhete verdadeiro no caderno de anotações das ocorrências. Sem engasgar, contou que o menino havia batido nela durante as brincadeiras. Sem vocabulário para explicar, o pai entendeu o revide da criança como natural, um ato de defesa da honra.

A mãe relembrou dos tempos em que o filho mais velho estava no maternal. Calmo, sossegado, caladinho no canto, gostava de jogos de memória, de encaixe, de carrinhos. Também recebeu bilhete revelando o “crime”: mordeu o dedo da colega com tanta força, que quase arrancou um pedaço. A professora advertiu, xingou, apaziguou o choro, escreveu textão no caderno do menino. Ele, sereno, depois do susto, contou em detalhes os motivos para a agressão. “A fulana colocou a mão dentro da minha boca e puxou a bala que eu estava chupando”. Caso encerrado e entendido.

São ocasiões difíceis para contornar. Os dois lados possuem defesa. Contudo, será que há réus ou vítimas? Quem tem razão quando a reação é um instinto? Como explicar que não se pode atacar com tamanha violência? Pedir por favor, dê licença, não me toque? O tempo e os pais, os outros adultos envolvidos, devem estar atentos a cada gesto diferente e são os responsáveis para educar e ensinar o jeito correto de lidar com as situações. Como diria o ditado “é de pequeno que se aprende e se faz o grande”. Cada passo é a trajetória para a convivência social, saudável, moral, cívica e ética.

A terceira lei de Newton é conhecida na física. Entretanto, serve para lições do cotidiano. Ação e reação. O que vai, volta. Dê afeto, caridade, amor, felicidade, ouvido, bom dia, paciência, abraço, atenção. Gratidão. Amor. Seja espelho para o outro. Reflita o seu melhor, pois o mundo já está saturado de mazelas e sujeiras. De lama.

Dê luz e paz!

Compartilhar

Comentários

Veja também

24 de maio de 2020

COISA DE OUTRO MUNDO

Dormi pouco. Noite intensa, de um frio entrando pelas frestas da janela, pés debaixo da coberta buscando calor. Não adiantou nada um fazendo carinho no outro e a dúvida de usar meias foi igual à preguiça de levantar na madrugada rumo ao guarda-roupas. Até a luz de stand-by do computador incomodou, algo já de costume […]

06 de março de 2020

SÓ QUERO SER FELIZ

Depois do AVC, a cabeça deu uma virada. Diria que foi, literalmente, uma rima, um eco, uma pirada. Vi o filme da vida em poucos segundos me dizendo que era necessária uma mudança. Na alimentação, nos exercícios físicos, na convivência social, nas leituras, no trabalho. Aprendi no susto que era preciso desacelerar. Ficar mais quieto, […]

05 de dezembro de 2019

É PARA SEGURAR ESSA BARRA

O fim de cada ano é uma época que mexe com as nossas emoções, as nossas posturas e os planejamentos para algo novo que virá. Confio e vibro nessa energia e fico observando os sinais ao longo dos dias, esperando as mensagens que o universo envia. Acolho-as, reflito, deixo seguir o baile naturalmente. Mesmo que […]